Relatório dos cofrinhos da IAM 2016


Com alegria, divulgamos o relatório atualizado dos cofrinhos referente ao ano de 2016. A arrecadação dos cofrinhos missionários dos grupos de Infância e Adolescência Missionária espalhados pelo Brasil totalizou R$67.195,69.


A IAM em todo o Brasil realiza todos os anos, no último domingo do mês de maio, uma Jornada Nacional. Na Jornada é realizada uma celebração especial que inclui a consagração das crianças e adolescentes, a entrega do lencinho e do escuto da IAM e a coleta do cofrinho com a oferta das crianças e adolescentes que se destina, a cada ano, a um continente. Em seguida, os coordenadores conferem os cofrinhos e enviam o resultado arrecadado ao Secretariado Nacional da IAM, em Brasília (DF).

Em 2016, o continente escolhido foi a Europa para onde será enviado o dinheiro arrecadado a ser utilizado pelos missionários brasileiros, em seus trabalhos junto às crianças e adolescentes refugiados. Deus seja louvado por tão grande generosidade de nossos pequenos grandes missionários.

Como surgiu a ação concreta da IAM?
Quando o bispo francês Dom Carlos Augusto de Forbin-Janson fundou a Associação da Santa Infância em 1843, seu desejo era que todas as crianças do mundo pudessem conhecer a Jesus e ter uma vida digna, mas que as próprias crianças com suas orações e donativos fizessem isso, ajudando-se pelo mundo inteiro. Por isso, as crianças da IAM cooperam espiritualmente com orações e materialmente com ofertas, fruto de seus sacrifícios. Essas ajudas são necessárias, conforme diz o próprio compromisso da Obra: “Uma Ave-Maria por dia e uma moeda por mês”.

As crianças e adolescentes missionários cooperam materialmente com ofertas que são fruto de seus sacrifícios e se destinam para as obras dedicadas às crianças e para a evangelização.

Cada mês, as crianças, com alegria, porque são frutos de seus sacrifícios, entregam sua oferta para as crianças necessitadas do mundo. As crianças e os adolescentes missionários comprometem-se a: "Repartir seus bens com os que não têm, mesmo à custa de sacrifícios" (3º Compromisso da IAM).

Comentários