Bate-latas de Jesus contribui para evangelizar no entorno de Brasília



Eu sou missionário, mesmo sem salário vou falar de Cristo e dos planos seus”. Estas palavras fazem parte de uma das canções a animar mais um Bate-latas de Jesus, iniciativa evangelizadora da Infância e Adolescência Missionária - IAM. A ação reuniu pelo menos 180 crianças, adolescentes e jovens, de sete comunidades das cidades do Gama e Taguatinga, no entorno de Brasília - DF, e percorreu as ruas do Setor Sul no Gama, na manhã deste domingo, 26 de agosto.

Utilizamos o barulho das latas para chamar as pessoas para fora de suas casas. Enquanto isso, evangelizadores abordam as pessoas, leem a Palavra de Deus e partilham. É evangelizar de uma forma diferente”, explica Lauro Condirán, coordenador da IAM da Arquidiocese de Brasília.


Promovido pela capela São Luiz Gonzaga, o Bate-latas de Jesus iniciou com missa presidida pelo diretor das Pontifícias Obras Missionárias - POM, padre Camilo Pauletti e concelebrada por padre Jaime C. Patias, da União Missionária. “Como faz bem partilhar, fazer uma oração por alguém, ir ao encontro das pessoas, oferecer algo. É um bem não somente para quem recebe, mas também para quem o faz”, afirmou padre Camilo ao falar sobre o compromisso com a missão. Durante a celebração a pequena Maria Eduarda, 5 anos, que participa da IAM desde os dois anos, recebeu o batismo. Em seguida, a recém batizada já estava alinhada com os coleguinhas para mostrar que a missão começa cedo.

Crianças de 5 a 14 anos vestindo camisetas da IAM com latas de vários tamanhos e formatos ganham as ruas. A orquestra está formada. À frente os símbolos da missão: o terço missionário, o globo, o cartaz da IAM e cinco bandeiras com as cores dos continentes. O ritmo parte dos tambores dos líderes e logo é seguido pelo ruído das latas nas mãos dos pequeninos. Enquanto isso, os adolescentes, dois a dois, abordam os moradores nas portas de suas casas com um sorriso no rosto e Bíblia na mão. Após breve apresentação pedem licença para ler um trecho da Palavra de Deus seguida por reflexões aplicadas à realidade.

A senhora Iris Ferreira Souto recebeu duas das evangelizadoras. Ela explica que foi o pequeno Artur Souto, de 5 anos, que a chamou até a porta onde aguardavam Ana Kerolayne Moreira, 13 anos e Maria Luiza Berteli, 12 anos. “Gostei muito por que aproxima as pessoas e atrai as crianças para a Igreja. Precisamos deixar as coisas ruins do mundo e participar de coisas boas na casa de Deus”, avaliou dona Iris.

Quando a pessoa abre a porta e aceita a palavra é por que ela está precisando dessa palavra de conforto”, comentou Kerolayne satisfeita. Maria Luiza participa pela primeira vez e se sente feliz em ver o grupo crescer. “Estou aprendendo com a minha colega. É muito legal”, disse.

Mais adiante, após ouvir a mensagem dos visitadores, a senhora Maria José Nogueira, permanecia junto à porta. “As crianças falaram sobre Abraão e eu entendi que devemos acreditar sempre em Deus, nunca deixar de ter fé. Isso é muito bonito”, revelou.

Raimunda Ferreira dos Santos, assessora da IAM na capela São Luiz Gonzaga destaca o trabalho de conjunto. “A Juventude Missionária - JM, não pode existir separada da IAM, precisa trabalhar junto inclusive com a catequese”. Durante a ação era visível atuação dos jovens e lideranças na coordenação, segurança, animação, logística e apoio.

Durante o percurso, onde há doentes, o coordenador orienta uma parada. Todos estendem as mãos e oram. Luciléia é esposa de Ronaldo. O casal é da Pastoral Familiar. Ele frequenta curso para diáconos. Ela faz tratamento para se livrar de um câncer e recebeu a visita das crianças que deixaram uma mensagem de solidariedade.

A história do Bate-lata teve início com o apelo do então bispo auxiliar de Brasília, dom Alberto Taveira para intensificar a evangelização. A paróquia Sagrada Família em Taguatinga Norte, liderada pelo padre Ézio foi a primeira a desenvolver essa dinâmica. Em 1995 o trabalho se estendeu ao estado de Minas Gerais, na cidade de Uberaba sob a liderança da Irmã Helena. Já na paróquia São João Batista, no Gama, o primeiro Bate-lata de Jesus aconteceu em 2004, na capela Bom Pastor e reuniu 150 crianças e 40 coordenadores. O segundo ocorreu no em 2005, na matriz São João Batista, com 200 crianças. No mesmo ano aconteceu uma terceira edição já na capela São Luiz Gonzaga.

O povo foi percebendo que a cada novo Bate-lata de Jesus, aparecia uma novidade, que seduzia toda a comunidade a seguir Jesus mais de perto”, explicou Déa Cláudia Duarte Queiroz, coordenadora do Conselho Missionário da Arquidiocese de Brasília - DF, e frequenta a comunidade. “Enquanto houver uma só pessoa que abra sua porta e seu coração para ouvir a Palavra de Deus e houver um grupo da Infância, Adolescência e Juventude Missionária, haverá o Bate-lata de Jesus”.

O encerramento foi na capela com uma avaliação seguida de almoço preparado pela comunidade. Os pequenos evangelizadores querem percorrer mais ruas e andar um dia inteiro. Foram poucas as pessoas que não aceitaram a visita. A maioria ouviu a leitura bíblica com atenção e aprovou a iniciativa.

FONTE: POM - www.pom.org.br




Veja a experiência do Bate-Latas no DVD da Campanha Missionária:

Comentários