Missão: uma atividade eclesial


Quando Jesus fundou sua Igreja, enviou-a em missão. Ele mesmo fez questão de preparar seus missionários e envia-los pessoalmente. Deixou claro, desde o começo, que o missionário não é um aventureiro ou um franco-atirador que escolhe “sua” missão, mas é um escolhido e enviado Dele e por Ele. Afinal, a missão é Dele. Jesus é o grande Missionário do Pai.

O envio é tão importante que a Igreja formalizou um Rito próprio, incluído no
Ritual das bênçãos, onde se destaca a presença do bispo (ou algum seu delegado), para ficar bem claro que aquele que parte não o faz em nome próprio, mas da Igreja.

Conheci alguns missionários estrangeiros que sonhavam com a África, prepararam-se durante anos e, na véspera da partida, receberam sua designação para o Brasil. Vieram felizes da vida, como se aqui fosse sua sonhada África (e fazem um belo trabalho!), vendo nisso a vontade de Deus para suas vidas. Entenderam que não são turistas (que escolhem seu destino e preparam a mala á gosto) mas são enviados de Deus, através da Igreja por Ele fundada. Sem dúvida, têm ministérios frutuosos. Entenderam que o/a missionário/a é alguém que, enviado pela Igreja, age como Igreja. Não buscam suas satisfações pessoais, sua “promoção”, uma aventura, mas satisfazer a fome de Deus que existe no coração de toda humanidade (ainda que muitos não tenham clara consciência disso).

A missão, seja local, seja além fronteiras, é sempre missão da Igreja. Deve, portanto, ser realizada em profunda sintonia (comunhão) com o pároco, o Bispo local, a Conferência dos Bispos e o Papa. Se algum elo desta cadeia é rompido, pode-se até fazer um bonito trabalho de animação, de promoção humana, etc, etc, mas não será missão da Igreja.

Continuando este período quaresmal, peçamos a Deus por nossos missionários espalhados pelo mundo inteiro para que saibam sempre “sentir com a Igreja”, agir como membros e enviados dela, que se mantenham sempre em profunda comunhão com os pastores legítimos, que garantem a apostolicidade da única Igreja de Cristo.

Assim sendo, A IAM se prepara para celebrar seu ano jubilar no Brasil (2013-2014) não custa lembrar que devemos também pedir para que a nossa obra continue sendo um celeiro de vocações missionárias ad gentes.

“De todas as crianças e adolescentes do mundo, sempre amigos”!

Pe. André Luiz de Negreiros
Secretário Nacional da Pontifícia Obra da IAM.


Sugestão de Encontro
Tema: Jesus nos envia a anunciar a Boa Nova

Objetivo: Preparar as crianças e adolescentes para desenvolverem a missão permanente.

Textos para reflexão:
1ª. Semana: Mt 28,19-20 (refletir sobre o envio dos apóstolos)
2ª. Semana: Mt 9,35-38 (refletir sobre os lugares que Jesus visitava)
3ª. Semana: Mt 28,19-20 (refletir sobre o nosso envio)
4ª. Semana: 1Pd 1, 13-16 (refletir sobre o chamado que Jesus nos faz a participarmos da IAM).

Compromissos Missionários:
a) Pessoal – Pesquisar sobre grupos que fazem missão em nossa paróquia.
b) Comunitário – Trazer para o próximo encontro fotos de missionários além-fronteiras.
c) Além-fronteiras – Rezar uma Ave-Maria pelos missionários espalhados pelo mundo.

Publicado na Revista Missões, n. 03. Abril 2013.

Comentários