Evangelho do 6º Domingo da Páscoa - 05/04/2013


Leia o Evangelho e o comentário clicando em "Mais informações"...


Evangelho - Jo 14,23-29
Naquele tempo, disse Jesus a seus discípulos: “Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e o meu Pai o amará, e nós viremos e faremos nele a nossa morada. Quem não me ama, não guarda a minha palavra. E a palavra que escutais não é minha, mas do Pai que me enviou. Isso é o que vos disse enquanto  estava convosco. Mas o Defensor, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, ele vos ensinará tudo e vos recordará tudo o que eu vos tenho dito.

Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; mas não a dou como o mundo. Não se perturbe nem se intimide o vosso coração. Ouvistes que eu vos disse: ‘Vou, mas voltarei a vós’. Se me amasseis, ficaríeis alegres porque vou para o Pai, pois o Pai é maior do que eu. Disse-vos isto,agora, antes que aconteça, para que, quando acontecer, vós acrediteis.

Comentário do Evangelho
Hoje, Jesus começa falando novamente do amor: “Quem me ama obedecerá a minha palavra, e meu Pai o amará.”, reforçando mais uma vez a importância do verdadeiro amor já descrito no Evangelho da semana passada (Jo 13,31-35), porém agora, destaca a necessidade da ação da obediência por parte de seus seguidores às palavras proferidas por Ele e que vêm do Pai.

Esta passagem tem intenção de testamento-herança: Este é o momento em que Jesus se despede de seus seguidores, mas não os deixa sozinhos na missão, pois o Pai lhes enviará Seu Espírito Santo, para lhes amparar, orientar e fortalecer. Os discípulos não compreendem de imediato a presença do Espírito Santo, e sentem-se abandonados, uma vez que Jesus não está mais presente fisicamente junto a eles. Esta presença física de Jesus é substituída pela espiritual, interior, prometida a todos que O amam. Por esta razão, nos primeiros anos do cristianismo, os seguidores de Jesus ficaram aguardando Sua volta, e só aos poucos compreenderam que a nova criação havia começado na comunhão do amor fraterno de Cristo com a humanidade, compreensão esta que só é possível com a presença do Espírito Santo.

Jesus deixa seu Espírito Santo, para auxiliar e defender Seu povo. Ele é a presença de Jesus sempre viva junto à comunidade, ajudando-a a compreender o sentido das ações e das mensagens que quer transmitir com elas, para assegurar ao Seu povo, através dos tempos, a verdadeira libertação. A função do Espirito na caminhada da comunidade é lembrar e ajudar a interpretar a palavra de Jesus à luz de sua morte e ressurreição.

No momento de sua morte, Jesus deixa como herança a Sua Paz. É difícil compreender este desprendimento de falar de paz e alegria num momento de dor e aflição e, só à luz do Espírito Santo esta mensagem pode ser compreendida, vendo a morte não como o fim, mas como o começo de uma nova vida; e a paz por Ele deixada, não é esta paz humana que precede a guerra, mas uma paz verdadeira que vem da ressurreição, da vitória da vida sobre a morte. Uma Paz que nesta vida não dispensa o sofrimento, mas infunde coragem para enfrentar sem medo a luta para conservar a fé em Deus.

FONTE: Pequeninos do Senhor

Comentários