Infância e Adolescência Missionária é referência em Santo Antônio da Platina (PR)


Dezenas de crianças e adolescentes se encontram sábados à tarde na Capela Santa Luzia, na Paróquia Santa Filomena, no bairro Altvater, em Santo Antônio da Platina (PR). Voluntárias lideram a iniciativa, conhecida como Infância e Adolescência Missionária (IAM), que tem as seguintes finalidades: ajudar pais, educadores e catequistas a despertar nas crianças a consciência e promover o espírito missionário universal entre as crianças, levando-as a partilhar sua fé e os meios materiais com as crianças das regiões mais necessitadas em todo o mundo e despertar vocações espirituais.

A Pontifícia Obra da Infância Missionária já possui uma boa caminhada em nível mundial. Foi fundada em 19 de maio 1843, por Dom Carlos Forbin Janson, Bispo de Nancy, França. A motivação principal para a sua fundação foram as cartas e notícias que missionários, principalmente da China, escreviam ao bispo Dom Carlos, contando a realidade triste e dura das crianças dos países de missão: doenças, mortalidade, analfabetismo, abandono... Diante destes problemas, Dom Carlos Forbin Janson teve a ideia original de empenhar as próprias crianças da França na solução dos problemas dos colegas da China. Foi assim que, ajudado pela jovem Paulina Jaricot, fundou a Obra da “Santa Infância”, chamada, mais tarde, de Infância Missionária. Esta Obra devia suscitar o espírito missionário universal nas crianças e adolescentes, desenvolvendo seu protagonismo na solidariedade.

O lema do fundador expressa claramente o espírito que caracteriza a Infância e Adolescência Missionária: ajudar as crianças por meio das crianças, ou criança evangeliza e ajuda criança.

Trata-se realmente de um serviço em favor da animação e formação missionária dos menores, para que, desde já, cooperem na evangelização universal, sobretudo das crianças, repartindo os bens materiais.

A Obra Pontifícia da Infância Missionária conseguiu um grande desenvolvimento e expansão. Hoje se encontra em 110 países dos cinco continentes, e sua ação beneficia milhões de crianças.

No Brasil, a Infância Missionária chegou em 1858. Após um bom acolhimento, houve um período difícil, voltando a se reorganizar em 1955. O Encontro Latino-Americano da IM, realizado em Cali (Colômbia), em 1993, foi fundamental para reanimar a POIM (Pontifícia Obra da Infância Missionária) no Brasil. Atualmente a IAM se encontra organizada na maioria das dioceses do país.

Nas comunidades eclesiais sentia-se a necessidade de algo novo e mais eficaz para a educação cristã e pastoral das crianças e dos adolescentes. Nessa idade, eles já precisam ser educados ao engajamento responsável em suas comunidades.

Em Santo Antônio da Platina, conforme informam as assessoras Maryane Françólle e Viviane Araújo, são crianças de quatro anos em diante, reunidas todos sábados a partir das 14 horas. Também coordenam os trabalhos Ana Beatriz Souza, Ana Cecília Amorim, Kalina Santos, Samira Helena e Natália Mota.

Maryane participa há cerca de cinco anos, "como trabalhamos com uma metodologia específica dividimos em duas turmas para que as crianças até dez anos não fiquem confusas durante os encontros; de dez anos em diante ficam comigo, de quatro anos até nove com outras meninas. Como é uma obra Missionária trabalhamos sempre com os continentes, para que as crianças não se preocupem apenas com nossa realidade, mais sim com a realidade de todos os povos", afirma a jovem.


Comentários