Como vivem as crianças no mundo?


A criança e adolescente da Infância e Adolescência Missionária (IAM) deve sempre estar atenta as coisas que acontecem no mundo, principalmente com outras crianças, que precisam de nossa ajuda, seja com a nossa oração ou nosso sacrifício. Nosso sexto compromisso diz que devemos "manter-nos informados sobre os acontecimentos que envolvem as pessoas de todos os continentes".

O mundo tem quase 7 bilhões de habitantes. Desse total, mais de 2 bilhões são crianças. A maior parte dos países concorda que é importante proteger os direitos dessas crianças. Mas muitas ainda sofrem com a fome, as doenças e a violência.

A maioria dos problemas acontece com crianças muito pobres. Pobreza não significa não poder comprar o último modelo de celular ou o tênis da moda. Pobreza significa não ter casa decente nem roupas limpas; pobreza significa não ter água limpa para beber, nem comida boa para comer; pobreza significa não ter escola, hospital, nem médico...

Se você fizer a conta dos direitos que deixam de ser cumpridos nessas situações, vai entender por que a pobreza é por si só tão grave. E o mundo tem muita gente pobre: duas a cada dez pessoas têm menos de três reais por dia para viver.

A maior parte das crianças pobres está em países da África. Mas a pobreza acontece também nos países em desenvolvimento, que não são muito ricos, mas também não são tão pobres. O Brasil, por exemplo, é um país de renda média, que tem muita criança pobre.

Há também crianças que não têm os direitos respeitados porque vivem em países que estão em guerra. No Oriente Médio, por exemplo, várias cidades são bombardeadas quase todo dia. É o que acontece no Iraque, na Síria... E na região de Israel e dos territórios palestinos, que estão em guerra há muitos anos. Além de ferir e matar, a guerra deixa as crianças órfãs, fecha as escolas, obriga as crianças e suas famílias fugirem para outros países e torna difícil conseguir alimentos saudáveis para que elas cresçam bem.


O que vale e o que não vale?
Nem todas as crianças do mundo têm seus direitos respeitados. Veja qual é a regra e quanta coisa triste acontece, que não vale.

A regra: Toda criança tem direito à vida.
Isto não vale: A cada ano, nascem, no mundo todo, 135 milhões de crianças. Mas quase 10 milhões morrem antes de completar 5 anos de idade. Isso é o mesmo que toda a população da cidade de São Paulo, juntando adultos e crianças.

A regra: Para viver, toda criança precisa comer bem.
Isto não vale: Metade das mortes de crianças com menos de 5 anos é provocada ou agravada pela subnutrição. Isso significa que 5 milhões de crianças morrem a cada ano de fome ou porque não se alimentam direito e acabam ficando doentes. Esse número equivale a duas vezes toda a gente que mora no Distrito Federal.

A regra: Toda criança deve crescer com saúde.
Isto não vale: Algumas das doenças que mais matam crianças são a pneumonia, a malária e a aids. A cada ano, 530 mil crianças contraem o HIV, vírus que provoca a aids. São mais de cinco estádios do Maracanã lotados de torcedores. Só nos países que ficam ao sul do deserto do Saara, na África, 2 milhões de crianças com menos de 14 anos vivem com HIV.

A regra: Toda criança deve crescer num ambiente limpo e saudável.
Isto não vale: Muitas famílias bebem água contaminada e moram em casas sem rede de esgoto. Nos países em desenvolvimento, uma a cada cinco pessoas não tem água limpa e apenas metade da população tem esgoto.

A regra: Toda criança deve ser protegida da violência e da crueldade.
Isto não vale: A violência contra a criança não acontece apenas nas regiões que estão em guerra. Crianças do mundo todo sofrem também com a violência dentro de casa. Em vários países pobres da África e em alguns da Ásia, nove a cada dez crianças com idade entre 2 e 14 anos apanham, recebem castigos cruéis ou são torturadas pelos pais.

A regra: Toda criança precisa ter uma escola para estudar.
Isto não vale: Algumas crianças não vão à escola. Outras começam a estudar, mas logo são tiradas da escola para trabalhar e ajudar em casa. No mundo todo, duas a cada dez crianças que deveriam estar nos primeiros anos de estudo estão fora da escola.

A regra: Toda criança deve brincar. Nenhuma deve trabalhar.
Isto não vale: Nos países mais pobres, quase um terço das crianças trabalha como gente grande, para ajudar a família. Com isso, elas não vão à escola ou não têm tempo de brincar. E brincar é fundamental.

Com informações da UNICEF, 2008


Comentários